Francisco Cândido Xavier – 136 – COISAS TERRESTRES E CELESTIAIS – Caminho, Verdade e Vida

19 abr / 2015
Escrito por Alan Diniz

Caminho, veradade e vida  “Se  vos  tenho  falado  de  coisas  terrestres,  e  não  me  credes, como crereis se vos falar das celestiais? Jesus (JOÃO, 3: 12)

No intercâmbio com o mundo espiritual, é freqüente a reclamação de certos estudiosos, relativamente à ausência de informações das entidades comunicantes, no  que se refere às particularidades alusivas às atividades em que se movimentam. Por que não se fazem mais explícitos os desencarnados quanto ao novo  gênero de vida a que foram chamados? Como serão suas cidades, suas casas, seus processos de relações comuns? Através de que meios se organizam hierarquicamente? Terão governos nos moldes terrestres? Indagam outros, relativamente às razões pelas quais os cientistas libertos do  plano físico não voltam aos antigos centros de pesquisas e realizações, vulgarizando  métodos de cura para as chamadas moléstias incuráveis ou  revelando invenções novas que acelerem o progresso mundial. São esses os argumentos apressados da preguiça humana. Se os Espíritos comunicantes têm tratado quase que somente do material existente em torno das próprias criaturas terrenas, num curso metódico de introdução  a tarefas mais altas e ainda não puderam ser  integralmente ouvidos, que viria a acontecer se olvidassem compromissos graves, dando­se ao gosto de comentários prematuros? É necessário compreenda o homem que Deus concede os auxílios; entretanto, cada Espírito é obrigado a talhar a própria glória. A grande tarefa do mundo espiritual, em seu mecanismo de relações com os homens encarnados, não é a de trazer conhecimentos sensacionais e extemporâneos, mas a de ensinar os homens a ler os sinais divinos que a vida terrestre contém em si mesma, iluminando­lhes a marcha para a espiritualidade superior.

0

Entendendo a Transitoriedade

19 abr / 2015
Escrito por Geraldo de Tarso

Quando se lê com atenção o capítulo VI do livro “A Gênese”, de Allan Kardec, fica patente o interesse do texto em fazer o leitor mergulhar nos conceitos científicos da Química e da Física.

Junto a tais considerações científicas, percebe-se que todas essas ilações estão direcionadas a nos fazer entender que toda a realidade física que nos cerca é produto final de reações químicas, num jogo de forças, de atrações e repulsões, que a Física também pode justificar.

Esses escritos estão contidos num livro, cujo interesse essencial é desvendar os mistérios da vida, em sua origem, em suas modificações e adaptações. Tais textos também buscam aproximar o conhecimento humano da origem divina de cada um de nós.

É a abordagem da Química e da Física, aproximando-as de uma causa maior, de forças gravitacionais aparentemente subordinadas às forças de atração molecular, mas que exteriorizam consequências inteligentes em suas manifestações orgânicas.

Tudo parece caminhar para uma transformação. Tudo muda, tudo é passageiro, e até aquilo que parece definitivo, terá um dia, que se modificar também, obedecendo ao determinismo das transformações e do progresso. A Transitoriedade é uma lei invariável, onde tudo existe subordinado a uma força inteligente que coordena e mantém a vida.

E nós, apagados seres que aqui vivemos, estamos inseridos nesse contexto da transformação universal, seja a transformação do corpo físico, seja a transformação de nossa matéria mental. Nossos impulsos psíquicos devem também seguir a força gravitacional do progresso.

Tudo deve progredir.

A matéria do corpo físico se modifica, se transforma para dar lugar a uma nova etapa da vida. Nossas forças emocionais e psíquicas, nossos impulsos e tendências, que compõem a matéria de nossos pensamentos, também obedecerão às mudanças, direcionadas para a perfeição.

A transformação de tudo na esteira do espaço-tempo nos faz refletir sobre a transitoriedade tão necessária e tão justa para cada um de nós. Tudo, exatamente tudo, se modifica e se transforma, ganha aparências novas e condições que não esperávamos.

O que não muda, é que tudo muda. A Transitoriedade parece ser a lei mais sólida e imutável de nossas vidas.

0

Caminho, Verdade e Vida – Francisco Cândido Xavier/ Emmanuel – 3 – EXAMINA-­TE

12 abr / 2015
Escrito por Alan Diniz

“Nada  faças  por  contenda  ou  por  vanglória,  mas  por  humildade.”

Paulo (FILIPENSES, 2: 3) 

O serviço de Jesus é infinito. Na sua órbita, há lugar para todas as criaturas e para todas as idéias sadias em sua expressão substancial. Se, na ordem divina, cada árvore produz segundo a sua espécie, no trabalho cristão, cada discípulo contribuirá conforme sua posição evolutiva. A experiência humana não é uma estação de prazer. O homem permanece em função de aprendizado  e, nessa tarefa, é razoável que saiba valorizar a oportunidade de aprender, facilitando o mesmo ensejo aos semelhantes. O apóstolo  Paulo compreendeu  essa verdade, afirmando que nada deveremos fazer por espírito de contenda e vanglória, mas, sim, por ato de humildade. Quando praticares alguma ação que ultrapasse o quadro das obrigações
diárias, examina os móveis que a determinaram. Se resultou  do desejo injusto de supremacia, se obedeceu somente à disputa desnecessária, cuida de teu coração para que o caminho te seja menos ingrato. Mas se atendeste ao dever, ainda que hajas
sido interpretado como rigorista e exigente, incompreensivo e infiel, recebe as observações indébitas e passa adiante. Continua trabalhando em teu  ministério, recordando que, por servir aos Caminho, veradade e vidaoutros, com humildade, sem contendas e vanglórias, Jesus foi tido por imprudente e rebelde, traidor da lei e inimigo do povo, recebendo com a cruz a coroa gloriosa.

0

Livro Caminho Espírita Cap. 2 – TUA MENSAGEM – Emmanuel – Francisco Cândido Xavier

12 abr / 2015
Escrito por Alan Diniz

Tua mensagem não se constitui apenas do discurso ou do título de cerimônia com que te apresentas em piano convencional; é a essência de tuas próprias ações, a exteriorizar-se de ti, alcançando os outros.

Sem que percebas, quando te diriges aos companheiros para simples opiniões, em torno de sucessos triviais do cotidiano, está colocando o teu modo de ser no que dizes; ao traçares ligeira frase, num bilhete aparentemente sem importância, derramas o conteúdo moral de teu coração naquilo que escreves, articulando referência determinada, posto que breve, apontas o rumo de tuas inclinações; em adquirindo isso ou aquilo, entremostras o próprio senso de escolha; elegendo distrações, patenteias por elas os interesses que te regem a vida íntima…
Reflete na mensagem que expedes, diariamente, na direção da comunidade.
As tuas idéias e comentários, atos e diretrizes voam de ti, ao encontro do próximo, à feição das sementes que são transportadas para longe das árvores que as produzem.
Cultivemos amor e justiça, compreensão e bondade, no campo do espírito.
Guarda a certeza de que tudo quanto sintas e penses, fales e realizes é substância real de tua mensagem às criaturas e é claramente pelo que fazes às criaturas que a lei de causa e
efeito, na Terra ou noutros mundos, te responde, em zelando por ti.
Emmanuel

0

CAMINHO, VERDADE E VIDA (pelo Espírito Emmanuel) 162 ESPEREMOS

5 abr / 2015
Escrito por Alan Diniz

Caminho, veradade e vida“Não  esmagará  a  cana  quebrada  e  não  apagará  o morrão que fumega, até que faça triunfar o juízo.”(MATEUS, 12: 20) 

Evita as sentenças definitivas, em face dos quadros formados pelo mal. Da lama do pântano, o Supremo Senhor aproveita a fertilidade. Da pedra áspera, vale­se da solidez. Da areia seca, retira utilidades valiosas. Da substância amarga, extrai
remédio salutar. O criminoso de hoje pode ser prestimoso companheiro amanhã. O malfeitor, em certas circunstâncias, apresenta qualidades nobres, até então ignoradas, de que a vida se aproveita para gravar poemas de amor e luz. Deus não é autor de esmagamento. É Pai de misericórdia. Não destrói a cana quebrada, nem apaga o morrão que fumega. Suas mãos reparam estragos, seu hálito divino recompõe e renova sempre. Não desprezes, pois, as luzes vacilantes e as virtudes imprecisas. Não abandones a terra pantanosa, nem desampares o arvoredo sufocado  pela erva daninha.Trabalha pelo bem e ajuda incessantemente. Se Deus, Senhor Absoluto da Eternidade, espera com paciência, por que motivo, nós outros, servos imperfeitos do trabalho relativo, não poderemos esperar?

0