Artigos escritos durante o mês de: março 2014

PEDIR – 65 – Emmanuel – Chico Xavier – Caminho, Verdade e Vida

30 mar / 2014
Escrito por Alan Diniz

“Jesus, porém, respondendo, disse: Não sabeis o que pedis.” 
(MATEUS, 20: 22)

A maioria dos crentes dirige-­se às casas de oração, no propósito de pedir alguma coisa. Raros os que aí comparecem, na verdadeira atitude dos filhos de Deus,interessados nos sublimes desejos do Senhor, quanto à melhoria de conhecimentos, à renovação de valores íntimos, ao aproveitamento espiritual das oportunidades recebidas de Mais Alto. A rigor, os homens deviam reconhecer nos templos o lugar sagrado do Altíssimo, onde deveriam aprender a fraternidade, o amor, a cooperação no seu programa divino. Quase todos, porém, preferem o ato de insistir, de teimar, de se imporem ao paternal carinho de Deus, no sentido de lhe subornarem o Poder Infinito. Pedinchões inveterados, abandonam, na maior parte das vezes, o traçado reto de suas vidas, em virtude da rebeldia suprema nas relações com o Pai. Tanto
reclamam, que lhes é concedida a experiência desejada. Sobrevêm desastres. Surgem as dores. Em seguida, aparece o tédio, que é sempre filho da incompreensão dos nossos deveres. Provocamos certas dádivas no caminho, adiantamo-­nos na solicitação da herança que nos cabe, exigindo prematuras concessões do Pai, à maneira do filho pródigo, mas o desencanto constitui-­se em veneno da imprevidência e da irresponsabilidade. O tédio representará sempre o fruto amargo da precipitação de quantos se atiram a patrimônios que lhes não competem. Tenhamos, pois, cuidado em pedir, porque, acima de tudo, devemos solicitar a compreensão da vontade de Jesus a nosso respeito.

0

Prece e Deus

30 mar / 2014
Escrito por Geraldo de Tarso

            Existem leis que regem a perfeição da vida em todo o universo.

Do micro ao macrocosmo uma Inteligência Soberana se manifesta, quer nas leis que regulam a atração dos planetas, quer nas leis que regem o movimento e a expansão do universo. Tudo direcionado por um sentido de perfeição, que harmoniza os mundos e os climas, permitindo a existência da vida humana em condições especiais.

Essa Inteligência Soberana se expressa em cada movimento da vida, dentro e fora do corpo físico.

Essa Onisciência domina a vida e a morte, informando que tudo se transforma e evolui.

Quando a mente humana se harmoniza, e permite que a sensibilidade se manifeste, algo lhe sucede no íntimo, para se aproximar dessa Ordem Divina.

Essa condição lhe permite fazer a sintonia com essa Força Inteligente e, nessas condições, nossa percepção se amplia e passamos a desfrutar de uma compreensão maior, de um entendimento mais completo da vida. Essas são as condições da mente que se entrega em prece.

Diante de tais considerações, vale perguntar:

- A prece precisa da palavra falada ?

- A prece necessita de um gesto ritualístico ?

- A prece mais longa é mais eficiente ?

- A prece só tem validade no interior de um templo ?

Não e não, pois a prece é a união do homem com Deus, é a interação que dispensa formas e condições.

A prece é um estado de espírito que nos aproxima de Deus, que nos faz perceber a presença invisível dos amigos espirituais. A prece liga, religa e sintoniza a criatura humana ao seu Criador.

A força da prece está no pensamento e no sentimento de quem ora. Enquanto o pensamento racionaliza e organiza o impulso da vontade, o sentimento sustenta e conduz a emoção ao encontro com Deus.

0

VIVER PELA FÉ – Caminho, Verdade e Vida – Emmanuel – Chico Xavier

23 mar / 2014
Escrito por Alan Diniz

“Mas o justo viverá pela fé.”  Paulo (ROMANOS, 1: 17) 
Na epístola aos romanos, Paulo afirma que o justo viverá pela fé.  Não  poucos  aprendizes interpretaram  erradamente  a  assertiva. Supuseram  que  viver  pela fé seria  executar rigorosamente  as  cerimônias  exteriores  dos  cultos religiosos.  Freqüentar  os  templos,  harmonizar­se  com  os  sacerdotes,  respeitar  a  simbologia sectária, indicariam a presença do homem justo. Mas nem sempre vemos o bom ritualista aliado ao bom homem. E, antes de tudo, é necessário ser criatura de  Deus, em todas as circunstâncias da existência.  Paulo de Tarso queria dizer que o justo será sempre fiel, viverá de modo
invariável, na verdadeira fidelidade ao Pai que está nos céus.  Os  dias  são  ridentes  e  tranqüilos?  Tenhamos  boa  memória  e  não  desdenhemos  a moderação.  São  escuros  e  tristes? Confiemos  em  Deus, sem  cuja permissão a tempestade não desabaria. Veio o abandono do mundo? O Pai jamais  nos abandona. Chegaram as enfermidades, os desenganos, a ingratidão e a morte?  Eles são todos bons amigos, por trazerem até nós a oportunidade de sermos justos,  de vivermos pela fé, segundo as disposições sagradas do Cristianismo

0

Pensamento e Prece

23 mar / 2014
Escrito por Geraldo de Tarso

O pensamento é a realidade mais palpável da existência do espírito.

Devassar o pensamento implica em navegar pelo processo mental, entendendo como o ato de pensar pode interferir e modelar o mundo. Quem pensa vive e desenvolve condições específicas do conhecimento, da percepção, da atenção e da memória. Quem pensa desenvolve a capacidade de sofrer ou sentir felicidade. Quem pensa fortalece a consciência exercitando a mente. Quem pensa passa a dominar e ampliar o sentido do conceito de vida. Enfim, quem pensa permite que a imaginação lhe amplifique os sentidos.

A prece permite que o pensamento viaje pelo Fluido Cósmico Universal, e que alcance destinos inimagináveis. E que, alcançando o seu destino, possa trazer a resposta de uma força maior, inteligente, amorosa, soberanamente justa e perfeita.

Não duvidemos das infinitas possibilidades da prece.

A prece fica fortalecida quando a Fé lhe dá o impulso inicial, quando a fé lhe abre as possibilidades de crer e sentir, de viver e acreditar.

A prece nos coloca em condição de perceber e sentir a assistência dos bons amigos espirituais, permitindo a cada um de nós uma condição mental propícia às boas influências.

Lembremo-nos de Auta de Souza, a poetisa potiguar, que assim escreveu o poema “Prece”, no livro Parnaso de Além-Túmulo:

Estendei vossa mão bondosa e pura, … Mãe querida dos fracos pecadores, … Aos corações dos pobres sofredores … Mergulhados nos prantos da amargura.

Derramai vossa luz, toda esplendores, … Da imensidade, da radiosa altura, … Da região ditosa da ventura, … Sobre a sombra dos cárceres das dores!

Ó Mãe! excelsa Mãe de anjos celestes, … Mais amor, desse amor que já nos destes, … Queremos nós em cada novo dia;

Vós que mudais em flores os espinhos, … Transformai toda a treva dos caminhos … Em clarões refulgentes de alegria.

Prezado amigo, que a prece lhe sensibilize e enterneça o coração, permitindo ao pensamento caminhar livre com a luz.

0

Força do pensamento

16 mar / 2014
Escrito por Geraldo de Tarso

            O homem da ciência conhece muitas particularidades da vida orgânica, desde a sua composição molecular, alcançando suas manifestações bioquímicas, até examinar e compreender a energia própria e particular de cada corpo.

O homem amplia o seu domínio sobre a matéria, dominando e manipulando muitas de suas reações e conseqüências atômicas. O homem vai se tornando senhor do mundo físico, embora tenha a plena consciência dos muitos mistérios que ainda permanecem insondáveis envolvendo a vida na superfície da Terra.

Se a vida terrena vai sendo gradativamente decifrada pela ciência convencional, ainda permanece desconhecida a dinâmica molecular e os mais variados mecanismos que modulam as energias que dão expressão de vida eterna ao mundo espiritual.

A vida terrena é uma extensão necessária da vida espiritual. A reencarnação é um estágio obrigatório que interrompe, por vezes, a continuidade das atividades espirituais. A plenitude está lá no mundo espiritual, e aqui na Terra vivemos a transitoriedade das sensações.

Estamos mergulhados numa atmosfera energética que envolve e domina todo o universo. Nossa casa terrena caminha nesse contexto físico universal, sem perceber que seus habitantes agem e interagem com essa massa energética, por nós conhecida como Fluido Cósmico Universal.  Sem compreender-lhe a magnitude, o ser humano usa o pensamento sem ver ou perceber que invade e viaja no universo desse fluido, através do desejo e da vontade.

Assim se processa o intercâmbio, de pensamentos e emoções, entre as almas afinizadas, estejam elas no mundo físico ou nas comunidades espirituais. O pensamento não encontra barreiras para caminhar no espaço, e alcançar o destino a que se propõe. Tudo se processa conforme a Lei que rege a harmonia do universo.

Finalizo essas palavras lembrando de Allan Kardec, no Evangelho Segundo o Espiritismo, quando diz: “Esse fluido recebe da vontade uma impulsão; ele é o veículo do pensamento, como o ar é do som, com a diferença de que as vibrações do ar são circunscritas, ao passo que as do fluido universal se estendem ao infinito.”

Que a prece seja reconhecida como a força capaz de impressionar, interagir e modificar a nossa compreensão do universo, trazendo luz às nossas vidas.

0