Artigos escritos durante o mês de: fevereiro 2015

ivro: Coragem – 39 – DEPRESSÕES – Chico Xavier – Emmanuel

22 fev / 2015
Escrito por Alan Diniz

CoragemSe trazes o Espírito agoniado por sensações de pessimismo e tristeza, concede ligeira pausa a ti mesmo, no capítulo das próprias aflições, a fim de raciocinar.
***
Se alguém te ofendeu, desculpa.
Se feriste alguém, reconsidera a própria atitude.
Contratempos do mundo estarão constantemente no mundo, onde estiveres.
Parentes difíceis repontam de todo núcleo familiar.
Trabalho é Lei do Universo Disciplina é alicerce da educação.
Circunstâncias constrangedoras, assemelham-se a nuvens que aparecem no firmamento de qualquer clima.
Incompreensões com relação a caminhos e decisões que se adote são empeços e desafios, na experiência de quantos desejem equilíbrio e trabalho.
Agradar a todos, ao mesmo tempo, é realização impossível.
Separações e renovações representam imperativos inevitáveis do progresso espiritual.
Mudanças equivalem a tratamento da alma, para os ajustes e reajustes necessários à vida.
Conflitos íntimos atingem toda criatura que aspire a elevar-se.
Fracassos de hoje são lições para os acertos de amanhã.
Problemas enxameiam a existência de todos aqueles que não se acomodam com estagnação.
***
Compreendendo a realidade de toda pessoa que anseie por felicidade e paz, aperfeiçoamento e renovação, toda vez que sugestões de desânimo nos visitem a alma, retifiquemos em nós o que deva ser corrigido e abraçando o trabalho que a vida nos deu a realizar, prossigamos à frente.

Emmanuel

0

O Espirito de Verdade – Em plena era nova Cap. XVIII – Item 9

22 fev / 2015
Escrito por Alan Diniz

Há criaturas que deixaram, na Terra, como único rastro da vida robusta que usufruíam na carne, o mausoléu esquecido num canto ermo de cemitério.

Nenhuma lembrança útil.
Nenhuma reminiscência em bases de fraternidade.
Nenhum ato que lhes recorde atitudes com padrões de fé.
Nenhum exemplo edificante nos currículos da existência.
Nenhuma idéia que vencesse a barreira da mediocridade.
Nenhum gesto de amor que lhes granjeasse sobre o nome o orvalho Euripides Barsanulfogda gratidão.
A terra conservou-lhes, à força, apenas o cadáver – retalho de matéria gasta que lhes vestira o espírito e que passa a ajudar, sem querer, no adubo às ervas bravas.
Usaram os empréstimos do Pai Magnânimo exclusivamente para si mesmos, olvidando estendê-los aos companheiros de evolução e ignorando que a verdadeira alegria não vive isolada numa só alma, pois que somente viceja com reciprocidade de vibrações
entre vários grupos de seres amigos.
Espíritas, muitos de nós já vivemos assim!
Entretanto, agora, os tempos são outros e as responsabilidades surgem maiores.
O Espiritismo, a rasgar-nos nas mentes acanhadas e entorpecidas largos horizontes de ideal superior, nos impele para frente, rumo aos Cimos da Perfectibilidade.
A Humanidade ativa e necessitada, a construir seu porvir de triunfos, nos conclama ao trabalho.
O espírito é um monumento vivo de Deus – o Criador Amorável. Honremos a nossa origem divina, criando o bem como chuva de bênçãos ao longo de nossas próprias pegadas.
Irmãos, sede vencedores da rotina escravizante.
Em cada dia renasce a luz de uma nova vida e com a morte somente morrem as ilusões.
O espírito deve ser conhecido por suas obras.
É necessário viver e servir.
É necessário viver, meus irmãos, e ser mais do que pó!
Eurípedes Barsanulfo

0

CAMINHO, VERDADE E VIDA (pelo Espírito Emmanuel) 135 O OURO INTRANSFERÍVEL

22 fev / 2015
Escrito por Alan Diniz

“Aconselho­te  que  de  mim  compres  ouro  provado  no  fogo, para que te enriqueças.” (APOCALIPSE, 8: 18)

  Sempre vulgares as aquisições de custo fácil. Nada difícil ao homem comum perseguir as possibilidades financeiras aliciar interesses mesquinhos, inventar mil recursos para atingir os fins inferiores; entretanto, os que adotam semelhante norma desconhecem o caráter sagrado do mais humilde patrimônio que lhes vai às mãos, abusando da posse para sentirem­se, depois, mais empobrecidos que nunca. A recomendação divina é suficientemente clara. Para que um homem se enriqueça, deve adquirir o Ouro provado no fogo, fortuna essa que procede das mãos generosas do Altíssimo. Somente essa riqueza espiritual, adquirida nas situações de trabalho árduo, de profunda compreensão, de vitória sobre si mesmo, de esforço incessante, conferirá ao Espírito a posição de ascendência legítima, de bem­estar permanente, além das transformações impostas pelo sepulcro, e apenas levará a efeito tão elevada conquista após entregar­se totalmente ao Pai para a grandeza do Divino Serviço. O homem mobilizado pelo homem poderá, sem dúvida, receber volumosos salários. Convenhamos, porém, que esses bens se transformam sempre ou algum dia serão transferidos a outrem pelo detentor  provisório. No entanto, quando o  trabalhador  gasta suas possibilidades nos trabalhos do bem, com esquecimento do  egoísmo, desinteressado de si próprio, colocando acima dos caprichos da personalidade os objetivos da Obra de Deus, lutando, amando, sofrendo e entregando­se a Ele, adquire, indiscutivelmente, o ouro eterno e intransferível.

0

CAMINHO, VERDADE E VIDA – Chico Xavier – (pelo Espírito Emmanuel) – 153 – PASSES

8 fev / 2015
Escrito por Alan Diniz

  “E  rogava­lhe  muito,  dizendo:  Minha  filha  está  moribunda;  rogo­te  que  venhas  e  lhe  imponhas  as  mãos  para  que sare, e viva.” (MARCOS, 5: 23)

Jesus impunha as mãos nos enfermos e transmitia­lhes os bens da saúde. Seu  amoroso poder conhecia os menores desequilíbrios da Natureza e os recursos para restaurar a harmonia indispensável. Nenhum ato do Divino Mestre é destituído de significação. Reconhecendo  Caminho, veradade e vidaessa verdade, os apóstolos passaram a impor as mãos fraternas em nome do Senhor e tornavam­se instrumentos da Divina Misericórdia. Atualmente, no Cristianismo redivivo, temos, de novo, o movimento  socorrista do plano invisível, através da imposição das mãos. Os passes, como  transfusões de forças psíquicas, em que preciosas energias espirituais fluem dos mensageiros do Cristo para os doadores e beneficiários, representam a continuidade do esforço do Mestre para atenuar os sofrimentos do mundo. Seria audácia por parte dos discípulos novos a expectativa de resultados tão  sublimes quanto os obtidos por Jesus junto aos paralíticos, perturbados e agonizantes. O Mestre sabe, enquanto nós outros estamos aprendendo a conhecer. É necessário, contudo, não desprezar­lhe a lição, continuando, por nossa vez, a obra de amor, através das mãos fraternas. Onde exista sincera atitude mental do bem, pode estender­se o  serviço  providencial de Jesus. Não importa a fórmula exterior. Cumpre­nos reconhecer que o bem pode e deve ser ministrado em seu nome.

0

Liberdade de Pensar

8 fev / 2015
Escrito por Alan Diniz

O que encanta nos textos que Kardec escreve é a sua Liberdade de Pensar.O mestre francês não se submeteu a modelos de estudos ou a conceitos pré-definidos. Ele simplesmente pensou, refletiu, ordenou ideias, admitiu o contraditório, confrontou situações, comparou suas consequências e emitiu sua opinião. Não se submeteu a qualquer modelo de religião pré-existente. A Doutrina Espírita fluiu naturalmente de suas pesquisas e observações. O Espiritismo foi fruto do pensamento, das muitas reuniões mediúnicas, das perguntas e das respostas que aturdiam a alma humana.Allan Kardec foi genial quando admitiu que era apenas um instrumento de uma Inteligência Soberana. Se notabilizou quando se colocou como um participante de toda a epopeia da vida humana, observando e sentindo, interagindo e fazendo.Não se vê ou não se lê em seus textos qualquer sinal de arrogância ou vaidade que, em geral, dominam os grandes escritores. Ele põe a ideia espiritual acima de sua personalidade e de seus títulos.

Quando se estuda os livros da Codificação Espírita, logo se observa uma grande síntese da vida universal. Se pudéssemos simbolizar, diríamos que a Doutrina Espírita é uma grande sala, com portas e janelas abertas, para que a Luz penetre e se expanda em seu interior. Suas portas estão abertas para que todas as pessoas possam conhecê-la, compreendê-la, senti-la e vivenciá-la em sua intimidade.

Muitas pessoas admiram essa “grande sala com janelas e portas abertas” mas, poucos, se decidem a entrar e viver nessa outra dimensão da vida. Para estar nessa “Sala” será preciso se distanciar da vida lá fora, será preciso se despedir de algumas paixões tão terrenas, será preciso renunciar aos títulos transitórios que enfeitam nossa vaidade, será preciso dar menos valor a personalidade transitória e, de maneira objetiva, cultuar mais o caráter e a bondade do Espírito eterno.
O Espiritismo não é uma escola de santidade, tenho absoluta certeza dessa afirmação. Evidente que, toda evolução espiritual, segue um compasso de mudanças que só a experiência bem vivida pode conseguir.
O Espiritismo esclarece, explica, sinaliza, e, finalmente, ordena o pensamento para que cada um caminhe com mais segurança, vivenciando seus conflitos pessoais, administrando as suas emoções e impulsos, permitindo que a evolução individual se faça, gradativamente, no íntimo de cada mente.

0